Home » Cuidadores Informais, Cuidados Paliativos, Geriatria, Reabilitação

Hospital em Casa?

4 January 2011 5,488 views No Comment

Quando a família se confronta com um diagnóstico de doença crónica agravada, existem perspectivas a considerar e decisões que precisam de ser pensadas. Para muitos doentes que encaram esta realidade e suas famílias, existe uma necessidade permanente e vigilante de cuidados de saúde diferenciados.

Mesmo quando há disponibilidade, por parte da família, para cuidar do seu elemento doente, existe um conjunto de cuidados e avaliações que necessitam de um olhar clínico, capaz de acompanhar a evolução da doença e garantir um controlo adequado de sintomas, expectativas e esforços no seio da família.

Esta necessidade de cuidados permanentes, à qual estão sujeitas imensas famílias, encontra-se culturalmente ligada à instituição hospitalar. Existe vulgarmente a noção de que pessoas com doença crónica e agravada não podem permanecer no conforto do lar. No entanto, com o avançar da tecnologia e com a melhoria da acessibilidade dos recursos humanos e materiais a nível da saúde, hoje existe a possibilidade destes doentes retornarem a casa, mediante condições técnicas e humanas adequadas.

O ambiente domiciliário, o estar em casa, constitui, para muitos doentes, um sinónimo de tranquilidade e bem-estar. O lar, no seio daquilo que é o meio próprio e familiar do doente, permite não só um maior conforto para este e para os elementos da família, como representa uma personalização privilegiada de cuidados, na promoção do bem-estar de todos os envolvidos. Mesmo aos restantes elementos da família é permitida uma rotina quotidiana sem deslocações diárias ao hospital mediante um acompanhamento diferenciado e presente.

A equipa de saúde é constituída por múltiplos destes técnicos diferenciados, capazes de dar resposta a situações complexas de doença, quer em meio hospitalar, quer em meio domiciliário, mediante a presença dos recursos adequados.

A deslocação diária de um auxiliar ao domicílio, permite que sejam asseguradas as funções básicas humanas, como a higiene e a alimentação. Em casos de doença grave, em que seja necessária uma intervenção significativa, existem também os enfermeiros, capazes de dar resposta a situações de urgência e agravamento clínico, ou apenas apaziguar momentâneas preocupações e esclarecer as suas dúvidas. A equipa médica é também fundamental, quando é necessário estudar alguma alteração significativa e planear um novo rumo de gestão da doença em questão.

Cada vez mais difundidas e acessíveis no mercado, encontram-se também as ajudas técnicas, componente fundamental da construção de um ambiente seguro no domicílio, de um hospital dentro da nossa casa. Componentes tão simples como cadeiras de banho, auxiliares de transferência ou camas articuladas, podem fazer toda a diferença, para o conforto e segurança do doente e para uma melhor prestação de cuidados por parte dos elementos responsáveis.

Ainda que este apoio, por parte das entidades de saúde, não seja amplamente difundida, existe esta possibilidade, de viver a doença no conforto do seu lar, ao invés do ambiente estranho e despersonalizado do hospital. O sistema nacional de saúde ainda é pouco presente nestas questões, mas em caso de interesse e dúvidas pode sempre contactar um profissional de saúde da sua confiança. Nesta área, existem, no entanto, diversas instituições privadas e de solidariedade social que desempenham um papel significativo nesta área de cuidar.

A segurança e os cuidados de qualidade não são restritos ao ambiente hospitalar. Estes podem acompanhá-lo a si e ao seu familiar, para o conforto do lar, onde podem vivenciar esta fase difícil da vida num ambiente íntimo, próximo e sem a assepsia hospitalar.

Leave your response!

Add your comment below, or trackback from your own site. You can also subscribe to these comments via RSS.

Be nice. Keep it clean. Stay on topic. No spam.

You can use these tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

This is a Gravatar-enabled weblog. To get your own globally-recognized-avatar, please register at Gravatar.